Logo - Sesc Pantanal Estância Ecológica

Institutional

Notícias

Mudanças Climáticas: um problema de todos

15/03/2017
Fonte: Comunicação
Foto: Divulgação

Dia 16 de março foi instituído o Dia Nacional da Conscientização Sobre as Mudanças Climáticas, com o objetivo de gerar reflexão sobre esse tema tão relevante. Um dos principais aspectos das alterações do clima no planeta é o a aquecimento global, responsável pelo aumento da temperatura média da Terra. A principal causa são as grandes emissões de gases do efeito estufa (GEE), que em excesso fazem com que a radiação solar, que deveria ser refletida e voltar ao espaço, fique retida, acentuando assim, as mudanças climáticas.

A queima de combustíveis fósseis (derivado de petróleo, carvão mineral e gás natural) que provém de atividades industriais, transportes, agropecuária, extrativismo intensivo, descarte de lixo e desmatamento são ações humanas que mais prejudicam o planeta, com grande liberação dos GEE. E são inúmeras são as consequências, como o derretimento das calotas polares, que eleva o nível do mar e podem ocasionar o desaparecimento de ilhas e cidades litorâneas, tempestades tropicais, inundações, ondas de calor, seca, nevasca, furacões, tornados e tsunamis.

O Sesc Pantanal atua pela conservação da biodiversidade, por meio da Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN Sesc Pantanal, e - buscando evitar emissão de gases do efeito estufa - tem a preocupação de gerar baixo impacto ambiental, com ações como aproveitamento de energia solar, reaproveitamento da água das chuvas, tratamento de água e esgoto, compostagem de lixo orgânico, madeira de manejo florestal, entre outros.

O Dióxido de Carbono (CO2), metano e óxido nitroso são os principais gases do efeito estufa, porém, é o CO2 que mais contribui para o aquecimento global, representando mais de 70% das emissões (segundo dados da WWF). A RPPN Sesc Pantanal, maior reserva particular do patrimônio natural do Brasil com 108 mil hectares de preservação, contribui com o aumento do estoque de carbono, atingindo cerca de 7,6 milhões de toneladas*. Esse acúmulo acontece, provavelmente, por uma associação da retirada do gado do local, ao controle de incêndios após estabelecimento da RPPN e ao aumento da cobertura arbórea em detrimento da campestre.

*Dados de 2007.

Outras Notícias

Mais Notícias